CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DA FORMAÇÃO RIO CLARO (NEOCENOZÓICO)

ALFREDO JOSÉ SIMON BJORNBERG, PAULO MILTON BARBOSA LANDIM

Resumo


No interior do Estado de São Paulo os autores verificaram a existência de uma cobertura sedimentar de espessura variável, capeando superfícies marcantemente aplainadas. Pela distribuição granulométrica, os sedimentos estudados assemelham-se extremamente ao Arenito Botucatu (Eocretáceo). Entretanto, a fração grosseira e os valores das medianas, indicando maior competência do veiculo, bem como a maior percentagem de magnetita presente e as estruturas primarias de deposição e presença de restos vegetais são características extremamente valiosas na diferenciação de ambos os sedimentos. Tal deposição post-cretácica efetuou-se obedecendo a uma drenagem com traçado semelhante ao atual e provavelmente em clima semi-árido, com flutuações para fases climáticas mais tímidas. Os Autores propõem para os depósitos sedimentares encontrados na bacia do Rio Piracicaba, a uma altitude de 600-800 m a designação estratigráfica de Formação Rio Claro (Neocenozóica) com a secção tipo em Rio Claro (S.P.).

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.