ANÁLISE ESTRUTURAL RÚPTIL NA ZONA DE INFLUÊNCIA DO ARCO DE PONTA GROSSA: ESTUDO DE CASO NA ÁREA DA UHE-MAUÁ-PR

Ramon Sade Zapata RIVAS, Eduardo SALAMUNI, Isabella Françoso Rebutini FIGUEIRA

Resumo


A pesquisa foi realizada no entorno da Usina Hidrelétrica de Mauá (UHE-Mauá), localizada no rio Tibagi, a noroeste do município de Telêmaco Borba divisa com Ortigueira, região central do Estado do Paraná. O local em que a usina está implantada é formado por soleira de diabásio aflorante, pertencente à Formação Serra Geral, intrudida em rochas sedimentares paleozoicas da Bacia do Paraná. No local o controle estrutural se dá em função da intersecção de estruturas regionais como o Arco de Ponta Grossa, localizado entre as Zonas de Falha São Jerônimo-Curiúva e a Zona de Falha Jacutinga. A análise estrutural possibilitou o reconhecimento de falhas, com predomínio de azimute N50-60E em mesoescala. Em fotointerpretação, no entanto, os lineamentos mais marcantes possuem azimute N40-50W. As descontinuidades mapeadas são caracterizadas, principalmente por juntas, falhas e zonas de falhas cataclásticas associadas a regime tectônico transcorrente, por vezes transtensivo com formação de estrutura em flor negativa e falhas oblíquas, identificadas nos sedimentos paleozoicos e nas rochas básicas. Este trabalho aponta a existência de pelo menos dois pulsos de deformação pós-cretácicos, que deformaram a soleira de diabásio e o conjunto de rochas sedimentares encaixantes, alterando o comportamento reológico da rocha e a disposição geométrica final dos grandes planos de fraquezas. O primeiro está ligado a um campo de paleotensão variável entre NNE-SSW e NNW-SSE e o segundo a um campo de paleotensão variável entre WNW-ESSE e ENE-WSW.


Palavras-chave


Análise estrutural; Tectônica rúptil; Falhas transcorrentes; Paleotensão.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


SCImago Journal & Country Rank