BIODEGRADAÇÃO DE ÓLEO EM RESERVATÓRIO SILICICLÁSTICO: UM EXEMPLO DO PALEÓGENO, BLOCO OLIVA, NORTE DA BACIA DE SANTOS, BRASIL

NATÁLIA MEDEIROS MARINS NUNES, MARCUS VINICIUS BERAO ADE, RENE RODRIGUES, FERNANDA BOTELHO DE ASSIS, FELIPE NASCIMENTO, RICARDO TEIXEIRA NICÁCIO LEITE

Resumo


Para as companhias de petróleo, o processo de biodegradação do óleo precisa ser caracterizado tanto na fase de exploração quanto de produção devido ao impacto econômico do projeto. Óleos não biodegradados requerem diferentes materiais e técnicas em relação aquelas utilizadas na investigação de óleos pesados. Economicamente, óleos biodegradados tem valor de mercado inferior aos não biodegradados. Através da presença ou ausência de um conjunto de biomarcadores identificados em cromatogramas e fragmentogramas torna-se possível a interpretação e identificação de diferentes graus de biodegradação. Essa metodologia investigativa constitui o objetivo principal deste trabalho. O óleo examinado nessa investigação apresenta ausência de n-alcanos e iso-alcanos, maior proporção de tricíclicos em relação a pentacíclicos, ocorrência de compostos desmetilados, além de maior proporção de diasteranos em relação aos esteranos,. Esses parâmetros geoquímicos permitiram caracterizar um elevado grau de biodegradação, de 8 na escala de Peters & Moldowan (1993), registrando um severo ataque bacteriano ocorrido a partir da interface do contato óleo/água, em temperaturas de reservatório entre 35°C e 50°C.


Palavras-chave


Geoquímica orgânica; Biomarcadores; Biodegradação.

Texto completo:

PDF (English)


DOI: http://dx.doi.org/10.11137/2017_3_222_231

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


SCImago Journal & Country Rank