TENDÊNCIA DO ÍNDICE HÍDRICO SAZONAL DO RIO GRANDE DO SUL E SUA RELAÇÃO COM EL NIÑO E LA NIÑA

ANA PAULA ASSUMPÇÃO CORDEIRO, MOACIR ANTONIO BERLATO, RITA DE CÁSSIA MARQUES ALVES

Resumo


Tendo em vista as tendências observadas nas variáveis meteorológicas originais, principalmente precipitação pluvial, insolação (brilho solar) e temperatura, nas últimas décadas, no Rio Grande do Sul, este trabalho teve como objetivos: analisar a tendência do índice hídrico (IH) sazonal, derivado do balanço hídrico seriado e relacioná-lo com El Niño e La Niña, bem como quantificar a frequência de IH considerados críticos em relação à disponibilidade hídrica (IH≤0,6), no período de 1979-2009. Na média do Estado houve aumento linear do IH, estatisticamente significativo, na primavera, associado à maior precipitação pluvial nesta estação do ano. Na primavera, 86% das estações meteorológicas apresentaram aumento do IH, sendo 58% destas com sinais estatisticamente significativos. Eventos El Niño determinaram maiores IH e eventos La Niña, menores IH, no verão e na primavera, com destaque para El Niño, com IH maior em 86% dos casos na primavera e 77% dos casos no verão. Na metade sul do Estado houve alta frequência de ocorrências de IH≤0,6, por dois ou mais meses consecutivos, principalmente em dezembro e janeiro. Estes resultados confirmam as limitações hídricas na metade sul do Estado para as culturas de primavera-verão não irrigadas e servem de subsídio para o manejo do calendário agrícola, quando da previsão de El Niño ou La Niña.


Palavras-chave


Balanço hídrico; Déficit hídrico; Variabilidade climática; Mudança climática.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.11137/2018_3_216_226

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


SCImago Journal & Country Rank