Tafonomia de foraminíferos bentônicos em sedimentos siliciclásticos e carbonáticos

Mariana Nunes Cardoso, Maria Célia Elias Senra

Resumo


Fatores biológicos, físicos e químicos atuam nos bioclastos, que respondem variavelmente sob condições ambientais diversas. Resultante da pressão exercida pelo meio, a assinatura tafonômica em tecas de foraminíferos se traduz em importantes informações paleoecológicas. Comparar as propriedades tafonômicas em foraminíferos de depósitos carbonáticos (lagoa Pitanguinha) e siliciclásticos (Reserva Tauá) são o principal objetivo do estudo. Nos sedimentos da Reserva Tauá-Pântano da Malhada foram identificadas 10 espécies de foraminíferos e na lagoa Pitanguinha 9 espécies, caracterizando baixa diversidade. Foraminíferos com carapaças hialinas e porcelanosas ocorrem nos sedimentos carbonáticos, enquanto as hialinas, exclusivamente nos siliciclásticos. A fragmentação foi expressiva nos dois ambientes, a dissolução ligeiramente maior no siliciclástico e a microbioerosão produzida por cianobactérias foi encontrada exclusivamente no ambiente carbonático. Ammonia tepida aparece com maior freqüência, apresentando altas taxas de bioerosão, fragmentação e dissolução.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


SCImago Journal & Country Rank