Hábitos de vida da associação "Schuchertella" agassizi - Pthychopteria eschwegei, formação Maecuru, Devoniano, Bacia do Amazonas, Brasil

Luiza Corral Martins de Oliveira Ponciano, Deusana Maria da Costa Machado

Resumo


Na Formação Maecuru podem ser reconhecidas duas associações de invertebrados marinhos bentônicos, cada qual representando um paleoambiente distinto. A associação analisada neste trabalho, presente em arenitos médios a grossos, apresenta como organismos predominantes "Schuchertella" agassizi (Rathbun, 1874) e Ptychopteria eschwegei (Clarke, 1899). Os fósseis estudados são oriundos de afloramentos nos rios Maecuru e Curuá, Estado do Pará, sendo procedentes dos estratos superiores da Formação Maecuru, de idade Eifeliana. Foram analisadas 337 amostras, coletadas pela Comissão Geológica do Império (1875-1877) e Expedição Orville A. Derby (1986). Compondo esta associação foram identificadas 12 espécies de braquiópodes, 20 de biválvios, 12 de trilobitas, 8 de gastrópodes, 6 de belerofontídeos, 3 de crinóides e 3 de tentaculitídeos. Os braquiópodes representam aproximadamente 50% da associação, seguidos pelos tentaculitídeos e biválvios. Trilobitas, gastrópodes e belerofontídeos totalizam menos de 10%. Os crinóides não foram incluídos na análise quantitativa, pois são encontrados apenas como placas calicinais e discos da coluna desarticulados. Os braquiópodes mostraram, através de suas características morfofuncionais, hábito suspensívoro epibentônico reclinante ou fixo por pedículo. Os biválvios apresentaram hábito suspensívoro semi-infaunístico endobissado, dominante, e infaunístico. Os trilobitas mostraram um hábito predador/necrófago, epibentônico móvel. Os gastrópodes platiceratídeos seriam epibentônicos de reduzida mobilidade (coprófagos/suspensívoros), enquanto os belerofontídeos teriam hábito epibentônico de média a alta mobilidade, pastador/ predador. Os tentaculitídeos seriam suspensívoros semi-infaunísticos. As formas suspensívoras representam mais de 90% dos organismos, sendo o percentual restante distribuído entre os predadores/necrófagos (trilobitas), coprófagos/suspensívoros (gastrópodes), pastadores/predadores (belerofontídeos) e depositívoros (raros biválvios). A predominância de suspensívoros corrobora o ambiente inferido de plataforma interna a média para a associação, pois os suspensívoros se adaptam melhor a águas agitadas e sedimentos grossos. A presença de formas suspensívoras epibentônicas e semi-infaunísticas, juntamente com os outros hábitos secundários, indica um ambiente marinho raso de águas agitadas, temperadas, bem oxigenadas e com salinidade normal.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


SCImago Journal & Country Rank