Imagens de Alta Resolução Espacial de Veículos Aéreos Não Tripulados (VANT) no Planejamento do Uso e Ocupação do Solo

Anny Keli Aparecida Alves Cândido, Normandes Matos da Silva, Antonio Conceição Paranhos Filho

Resumo


A criação, aperfeiçoamento e uso de técnicas de sensoriamento remoto com foco em imagens suborbitais vêm aumentando, por apresentarem uma série de vantagens na análise geográfica e ecológica, produzindo dados com alta resolução espacial. O objetivo desse trabalho foi testar técnicas de classificação supervisionada e não supervisionada em imagens aéreas digitais de alta resolução espacial obtidas por veículo aéreo não tripulado (VANT), empregando dois softwares, SPRING e ArcGis. As imagens aéreas possuem resolução espacial de aproximadamente 10 cm, com área útil de recobrimento em torno de 45%. Foram obtidas em junho de 2011 e recobrem um trecho da cabeceira do rio São Lourenço, Campo Verde-MT. As fotografias aéreas foram georreferenciadas e posteriormente foram realizados os testes de classificação, dentre os quais apresentaram melhores resultados as classificações por região. Nessa etapa foram realizados aproximadamente 100 testes de segmentação com parâmetros de similaridade e área diferenciados, até encontrar uma rotina que melhor se adequasse a área de estudo. A classificação que melhor delimitou as diferentes feições presentes na imagem foi a supervisionada por região, cuja segmentação possuía 20 pixels de similaridade e 200 de área. Para comprovar estatisticamente a eficiência da classificação foi realizado teste de cluster e a validação foi realizada por meio do índice kappa e exatidão global. Os resultados apresentados assim como o uso de VANT, são ótimas ferramentas e passiveis de utilização em diversas áreas, incluindo rotina de perícia ambiental e monitoramento de recuperação de áreas degradadas, no âmbito do Código Florestal Brasileiro.

Palavras-chave


Área de Preservação Permanente (APP); Plano de Recuperação de Áreas Degradadas (PRAD); DRONE

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.11137/2015_1_147_156

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


SCImago Journal & Country Rank