Sequências deposicionais de alta frequência no Quaternário da Bacia de Pelotas (planície costeira): registro de empilhamento degradacional em função de queda do nível de base em longo período

Maria Luiza Correa da Camara Rosa, Eduardo Guimarães Barboza, Vitor dos Santos Abreu, Luiz José Tomazelli, Sérgio Rebello Dillenburg

Resumo


O objetivo deste trabalho foi analisar o registro sedimentar da Bacia de Pelotas, contextualizando-o em escalas temporais e espaciais e propondo um arcabouço estratigráfico hierarquizado. A planície costeira, localizada no Sul do Brasil e Norte do Uruguai, é principalmente formada por quatro sistemas deposicionais do tipo laguna-barreira. Os três sistemas mais jovens foram estudados por meio da integração de dados de superfície e de subsuperfície (mapeamento geomorfológico e topográ- fico, descrição de afloramentos, geoprocessamento, datações e registros de georradar) e interpretados como a porção costeira, preservada, de sequências deposicionais controladas principalmente por ciclos glacioeustáticos da ordem de 100 ka. O padrão de empilhamento das três sequências, em conjunto, é progradacional com altitudes mais baixas no sentido do oceano (máximos níveis do mar medidos: 9,5, 8 e 3 m, respectivamente), correspondendo a um conjunto de sequências degradacionais, ou ao trato de sistemas regressivos/nível em queda de uma sequência de maior ordem, identificada em seções sísmicas, com aproximadamente 0,5 Ma. A sequência mais jovem possui tratos de sistemas diácronos — enquanto alguns setores já possuem o registro do trato de sistemas de nível alto/em queda, outros ainda se encontram em contexto transgressivo. Isso indica que nesse tempo e escala o nível do mar não representa o principal controle da evolução costeira, e fatores autogênicos são fundamentais no desenvolvimento do registro geológico.

Palavras-chave


Laguna-Barreira; Glacioeustasia; Diacronismo dos tratos de sistemas; Georradar; Evolução costeira do Rio Grande do Sul.

Texto completo:

PDF (English)


DOI: http://dx.doi.org/10.1590/2317-4889201720160138

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


SCImago Journal & Country Rank