Distribuição dos equinoides na Formação Jandaíra

Josevânia de Oliveira Oliveira, Cynthia Lara de Castro Manso, Edilma de Jesus Andrade Andrade

Resumo


Neste trabalho é observada a distribuição das espécies de equinoides “regulares” Goniopygus durandi, Rosadosoma riograndensis (Maury 1924), Phymosoma major (Coquand 1862), e equinoides “irregulares” como Petalobrissus setifensis (Cotteau 1866), P. cubensis (Weisbord, 1934), Mecaster fourneli (Agassiz & Desor 1847), M. texanus (Roemer 1852) e Mecaster sp nas localidades fossilíferas Camurim-01, Gangorrinha-2, Gov. Dix-Sept Rosado-2, Gov. Dix-Sept Rosado-6, Estreito-1 e Frei Antonio-3 da Formação Jandaíra, Bacia Potiguar. Foram preparados e identificados 228 exemplares, provenientes de duas coletas realizadas em 2003 e 2011. Em relação à abundância relativa das espécies de equinoides presentes nos calcários da Formação Jandaíra, observou-se que os equinoides “irregulares” aparecem em maior número se comparado aos “regulares”. As localidades Camurim-1 e Gangorrinha-2 destacaram-se por apresentarem a maior abundância de espécies tanto endocíclicas quanto exocíclicas. Em Gov. Dix-Sept Rosado-2 e Gov. Dix-Sept Rosado-6 observou-se somente a presença de espécimes do gênero Mecaster. Já Estreito-1 e Frei Antonio-3 foram as que apresentaram a menor ocorrência, sendo que na primeira ocorreram “regulares” e na segunda “irregulares”. Esses modos de ocorrência podem estar  relacionados às condições paleoambientais e ao modo de vida das espécies, pois as localidades com maior ocorrência de espécies estão situadas mais próximas à borda da bacia, como é o caso de Camurim-1 e Gangorrinha-2.

Palavras-chave


Ocorrência; Echinoidea; Cretáceo; Bacia Potiguar.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5327/Z23174889201400040006

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


SCImago Journal & Country Rank