Inversão tectônica de estruturas compressionais da porção Sul do Corredor do Paramirim, Bahia

Simone Cerqueira Pereira Cruz, Fernando Flecha Alkmim, Johildo Salomão Figueiredo Barbosa, Ivo Dussin, Luiz César Corrêa Gomes

Resumo


O Corredor do Paramirim representa a zona de máxima inversão do Aulacógeno do Paramirim, no qual predominam zonas de cisalhamento reversas-reversas destrais e vários tipos de dobras. Essas estruturas refletem um campo de tensão segundo WSW-ENE, os quais se desenvolvem nas unidades de embasamento do Aulacógeno, assim como na Suíte Intrusiva Lagoa Real, de idade estateriana, nos supergrupos Espinhaço e São Francisco, de idades estateriana-toniana e criogeniana, respectivamente, bem como no grupo Macaúbas-Santo Onofre, de idade máxima toniana. Um rico acervo de estruturas extensionais truncam as estruturas compressionais do Corredor do Paramirim, sendo caracterizado por zonas de cisalhamento normais e foliação, por vezes milonítica, lineação de estiramento down dip, dobras de arrasto, fraturas de tração e estruturas S/C. Nessas zonas de cisalhamento, o quartzo ocorre truncado pela foliação, enquanto o feldspato apresenta-se fraturado e alterado para mica branca. A distribuição dos eixos-c de quartzo encontra-se no máximo a 14º do eixo Z. Portanto, isso sugere que a deformação ativa os planos basais <a>. O estudo de paleotensão utilizando o programa Win-Tensor demonstrou que o regime variou entre a distensão radial e a pura. A direção de s1 oscilou ao redor da vertical, enquanto que s3 é sub-horizontal, com predominância da direção N230-050º. Idades Ar-Ar em biotita obtidas nas zonas de cisalhamento extensionais variou entre 480 e 490 Ma. Em conjunto, os dados obtidos para as estruturas associadas com o regime extensional tardio descrito neste trabalho sugerem que a sua nucleação está relacionada com os setores distais, rúptil-dúcteis, da zona de colapso gravitacional do Orógeno Araçuaí-Oeste Congo.

Palavras-chave


Zonas de cisalhamento; Corredor do Paramirim; Colapso gravitacional.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.1590/2317-488920150030240

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


SCImago Journal & Country Rank