Idade da mineralização de esmeralda do distrito de Itabira-Nova Era, Minas Gerais, Brasil, com base em geocronologia LA-ICP-MS de titanita cogenética

Hanna Jordt-Evangelista, Cristiano Lana, Carlos Eduardo Reinaldo Delgado, Deiwys José Viana

Resumo


No Distrito Esmeraldífero de Itabira-Nova Era, sudeste do Brasil, esmeralda gemológica é extraída em minas subterrâneas em depósitos do Tipo Xisto na zona de contato da sequência metavulcanossedimentar arqueana do Complexo Guanhães com granitos anorogênicos paleoproterozoicos da Suite Borrachudos. Depósitos do Tipo Xisto são comumente gerados por reações promovidas por deformação e calor durante metamorfismo regional. A idade da mineralização na região tem sido motivo de debates por décadas: idades variando do Arqueano ao Neoproterozoico são mencionadas na literatura. Na zona mineralizada da mina Piteiras, titanita portadora de alumínio e flúor é encontrada em rochas metamáficas. O conteúdo de flúor foi provavelmente derivado dos granitos e pegmatitos Borrachudos, tal como o berílio para a esmeralda, portanto ambos minerais podem ter sido gerados durante o mesmo evento. Geocronologia U-Pb via ablação a laser associada a espectrometria de massa por plasma acoplado indutivamente laser (LA-ICP-MS) em titanita foi realizada em uma seção delgada de um flogopita-plagioclásio-hornblenda xisto da mina Piteiras. A idade determinada de 576 ± 7 Ma é também a provável idade de geração da esmeralda durante o ciclo Brasiliano, que foi o único evento tectonometamórfico posterior à intrusão dos granitos. Este evento forneceu calor e fluidos necessários para reações entre as rochas portadoras de berílio e de cromo, possibilitando assim a formação de esmeralda.

Palavras-chave


Titanita; Geocronologia U/Pb; Neoproterozoico; Esmeralda; Brazil.

Texto completo:

PDF ePDF (English)


DOI: http://dx.doi.org/10.1590/2317-4889201620150074

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


SCImago Journal & Country Rank