EVIDÊNCIAS DE ACRESÇÃO CRUSTAL PROTEROZÓICA A PARTIR DE PLUTONISMO GRANÍTICO NA ZONA TRANSVERSAL DA PROVÍNCIA BORBOREMA, NORDESTE DO BRASIL

EDILTON J. SANTOS, VLADIMIR C. MEDEIROS

Resumo


O domínio da zona transversal na Província Borborema compreεNde um mosaIcó de terrenos situado entre os lineamentos Patos e Pernambuco, os quais foram justapostos através de dois ciclos orogênIcós, um mais antigo, de idade Grenville, chamado de Cariris Velhos (1,1-0,95 Ga), e outro mais jovem, de idade Panafricana-Brasiliana (0,75-0,54 Ga). São compostos por terrenos de idades Meso e Neoproterozóica, denominados de Piancó-Alto Brígida (TPB), Alto Pajeú (TAP), Alto Moxotó (TAM) e Rio Capibaribe (TRC), nos quais desenvolveu-se um plutonismo granítico notável, coerente com a repartição dos terrenos. O plutonismo Cariris Velhos é associado a uma tectônica de escamas, sendo ausente ou desconhecido no TPB, mas abundante no TAP, que possui características de \\mfold-thrust belt, e no TAM, numa ambiência de arco magmátIcó; granitóides deste ciclo, provavelmente, também ocorrem no TRC. Observa-se uma ausência de granitos brasilianos no TAM, ao passo que o limite TAP-TAM é isento de intrusivas shoshoníticas e ultrapotássicas, que são comuns nos demais limites de terrenos. Os granitos crustais colisionais Cariris Velhos do TAP contrastam com os granitos leucocrátIcós e trondhjemitos pouco evoluídos do TAM, enquanto que um plutonismo gabro-anortosítIcó e álcali-granítico paleo e mesoproterozóIcó parece ser restrito ao TAM e TRC. A ocorrência de rochas máfícas e ultramáficas juvenis, assim como a assinatura geoquímica e isotópica εNd de rochas vulcânicas e granitos no TAP, TAM e TRC indicam que processos acrescionários desempenharam um papel importante em certos setores dos terrenos gerados durante o ciclo Cariris Velhos. Entretanto, a atividade granítica brasiliana foi muito mais volumosa, tεNdo desenvolvido possantes cordilheiras graníticas ao longo e nos limites dos terrenos. Uma super-suite calcio-alcalina nornjal e com alto K e uma suite trondhjemítica são características do TPB, podεNdo representar um trend evolutivo semelhante ao da série calcio-alcalina-trondhjemítica do SW da Finlândia. O ramo com alto K desta super-suite é bastante espalhado no TAP e TRC, sendo algumas vezes associado a granitos leucocrátIcós peraluminosos. Zircões supostamente herdados com 750 Ma foram registrados em um plúton do TAP, sugerindo tratar-se da idade dos magmas máfIcós shoshonítIcós precursores. Os granitos desta super-suite foram colocados no intervalo entre 620 e 630 Ma e, com exceção da suite calcio-alcalina rica em K, possuem razão moderada 87Sr/86Sr e valor negativo baixo de εNd, indicando tratar-se de magmas híbridos com componentes derivados do manto e crosta. A super-suite peralcalina ultrapotássica e shoshonítica (tardicinemática) ocorre caracteristicamente ao longo e adjacente à algumas zonas de cisalhamento que separam os terrenos, sendo aquela no limite TPB/TAP a mais imponente cordilheira granítica deste pulso. Dados da literatura indicam uma idade de colocação em torno de 566 Ma, idades modelos Nd (IDM) em torno de 2.0 Ga e valores negativos altos de εNd, sugerindo uma fonte mantélica acamadada enriquecida (Transamazônica), realçada metassomaticamente durante a orogênese Cariris Velhos. O último grande pulso granítico ocorreu por volta de 512 Ma, sendo representado pela suite granítica tipo A pós-cinemática, que se desenvolveu nas proximidades do limite TAP/TAM. Esta suite é subalcalina à levemente alcalina e possui padrões geoquímIcós de granitos anorogênicos. O plutonismo granítico brasiliano é relacionado a um regime extensional e transtensional, implicando mais em processos de dispersão translacional, do que de substanciais processos acrescionários.

Palavras-chave


Granitos; Terrenos; Acresção crustal; Zona transversal; Província Borborema.

Texto completo:

PDF (English)

Apontamentos

  • Não há apontamentos.