OS ENXAMES DE DIQUES MÁFICOS DO MACIÇO DE GOIÁS, BRASIL CENTRAL

RAUL MINAS KUYUMJIAN

Resumo


Relações de campo e litogeoquímica permitiram indivualizar três enxames de diques máficos no Maciço de Goiás. O enxame mais antigo compreende diques que secionam terrenos granhóide-gi-eenstone, são recobertos por rochas mctassedimentares proterozóicas e foram metamorfisados nas fácies xisto verde ou anfibolito. Esses diques mostram concentrações de TiO2 inferiores a 2% e apresentam similaridade química com basaltos do tipo N-MORB. Diques não metamorfisados, mas localmente cisalhados, secionam rochas arqueanas e proterozóicas do Maciço de Goiás e foram posicionados, provavelmente, nos estágios finais de deformação do Ciclo Brasiliano (~600 Ma). Esses diques apresentam concentrações de TiO2 entre 2 e 3% e são quimicamente semelhantes aos basaltos continentais da província do Deccan. O enxame de idade mais recente compreende diques sem deformação ou metamorfismo, mais ricos em TiO2 (>3%) e com composição química também semelhante aos basaltos do Deccan. O posicionamento destes diques ocorreu, provavelmente, no Mesozóico, durante a fragmentação do Gondwana.

Palavras-chave


Diques máficos; Geoquímica; Maciço de Goiás; Brasil.

Texto completo:

PDF (English)

Apontamentos

  • Não há apontamentos.