GÊNESE E EVOLUÇÃO DOS FLUIDOS ENVOLVIDOS NA ALTERAÇÃO HIDROTERMAL E NA MINERALIZAÇÃO DE ESTANHO EM GRANITOS DO RIO GRANDE DO SUL

JOSÉ CARLOS FRANTZ, CARLOS EDUARDO COELHO, NILSON FRANCISQUINI BOTELHO

Resumo


A mineralização de estanho na região leste do Escudo Sul-rio-grandense está associada a dois tipos de rochas graníticas cujo posicionamento e alteração hidrotermal foram controlados por zonas de cisalhamento transcorrente. Leucogranitos a duas micas da Suíte Intrusiva Cordilheira são sin a tardi-cinemáticos e têm alteração hidrotermal pervasiva, como na Mina Cerro Branco. Biotita granitóides da Suíte Intrusiva Campinas são tardi a pós-cinemáticos e têm alteração hidrotermal limitada a zonas de cúpula, como na Mina Campinas. Situações intermediárias podem ocorrer, como no caso da Mina Tabuleiro. A mineralização é constituída por cassiterita em greisen e veios de quartzo associados, onde foram obtidos os dados de inclusões fluidas. A relação textural de inclusões aquo-carbônicas, aquosas e carbônicas indica uma relação inversa entre as minas Cerro Branco e Campinas. Na Cerro Branco as inclusões em zonas de núcleo de grãos são aquosas com salinidade moderada e em margem recristalizada e fraturas são carbônicas e aquo-carbônicas de salinidade baixa. Na Mina Campinas o caráter precoce é das inclusões aquo-carbônicas e carbônicas, com as aquosas sendo tardias. A relação implica em que os primeiros fluidos aprisionados ao longo de zonas de alteração hidrotermal estavam associados aos granitóides da Suíte Intrusiva Cordilheira e foram essencialmente aquosos. A salinidade equivalente entre 7 e 8% em peso de NaCl pode indicar uma origem que resultou da interação de fluidos ortomagmáticos com fluidos aquosos da encaixante milonítica. O segundo aporte ao sistema hidrotermal ocorreu com a entrada de fluidos carbônicos e aquo-carbônicos metamórficos contendo proporções variadas de H2O, CO2, CH4 e N2 e gerados a partir de xistos carbonosos encaixantes por ação térmica dos corpos da Suíte Intrusiva Campinas. A indicação de um processo de mistura para as inclusões aquo-carbônicas pode representar uma interação entre os dois tipos anteriores de fluidos. O influxo de CO2 vapor ao sistema hidrotermal pode ter auxiliado na formação de veios de quartzo, pela precipitação de sílica causada por um decréscimo da atividade da água em solução. De forma simultânea, ocorreu o aprisionamento de porções de fluidos misturados, como inclusões do tipo Lwc. As temperaturas de homogeneização total das inclusões aquo-carbônicas, consideradas como mínimas de aprisionamento das inclusões, são de 200,360 e 330°C, respectivamente, para as minas Cerro Branco, Campinas e Tabuleiro. O aprisionamento das soluções pode ter ocorrido entre 1,5 e 3Kb. Na Mina Cerro Branco, os valores entre 2 e 7Kb podem decorrer da atuação da deformação transpressiva concomitante à circulação dos fluidos hidrotermais associados aos granitos da Suíte Intrusiva Cordilheira.

Palavras-chave


Fluidos hidrotermis; Mineralização; Granitos.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.