UM APANHADO SOBRE AS PRINCIPAIS REGIÕES A URÍFERAS DO BRASIL

SÉRGIO LUIZ MARTINI

Resumo


Considerando-se as regiões auríferas do Brasil com produção (1965-94) e reservas acima de 101 de metal e seus contextos geológicos, é possível afirmar que elas contêm alguns dos tipos de depósitos normalmente representados em escudos pre-cambrianos, além de outros, talvez menos comuns em outros escudos. Entre os primeiros estão depósitos mesotermais em greenstone belts e unidades a eles assemelhadas, disseminações em conglomerados ortoquartzíticos paleoproterozóicos, e depósitos hospedados em sedimentos, particularmente em seqüências turbidíticas meso- a neoproterozóicas. Entre os do segundo tipo, estão depósitos associados a seqüências de médio a alto grau metamórfico com ouro como sub- ou co-produto de sulfetos de cobre disseminados strata-bound, ou hospedados em metassedimentos paleoproterozóicos grafitosos e/ou manganíferos, e.g. itabiritos, ou ainda mostrando feições epizonais a epitermais mas localizados em contexto intraplaca de idade mesoproterozóica. Uma comparação geral entre as diferentes regiões sugere que aquelas que exibem a maior variedade de estilos de mineralização - isto é, de ambientes geológicos produtivos -parecem ser as mais ricas em ouro. Este talvez seja um aspecto significativo a ser considerado na tentativa de identificar províncias mais bem aquinhoadas em termos de conteúdo aurífero.

Palavras-chave


Ouro; Províncias; Contexto geológico; Pré-cambriano; Faixa de rochas verdes; Granitos e metassedimentos proterozóicos; Tipos e estilos de mineralização; Veios; Depósitos primários.

Texto completo:

PDF (English)

Apontamentos

  • Não há apontamentos.