GEOQUÍMICA DOS GNAISSES TTGs E GRANITÓIDES NEOARQUEANOS DO COMPLEXO BELO HORIZONTE, QUADRILÁTERO FERRÍFERO, MINAS GERAIS

CARLOS MAURÍCIO NOCE, WILSON TEIXEIRA, NUNO MACHADO

Resumo


A crosta arquearia da região do Quadrilátero Ferrífero é constituída por uma sequência do tipo greenstone belt (Supergrupo Rio das Velhas) circundada por diversos complexos metamórficos (e.g. complexos metamórfïcps de Belo Horizonte, Bonfim e Bação). O Complexo Belo Horizonte situa-se a norte do Quadrilátero Ferrífero. É constituído por um gnaisse bandado, migmatizado, exibindo estrutura schlieren ou estromática e frequentes encraves máficos, além de corpos granitóides intrusivos. Este gnaisse bandado representa o litotipo dominante do Complexo Belo Horizonte e foi denominado Gnaisse Belo Horizonte. Sua composição química é semelhante a das suites tonalito-trondhjemito-granodiorito (TTG) arqueanas descritas em outros continentes. O protólito do Gnaisse Belo Horizonte foi gerado, possivelmente, no período 3,0-2,9 Ga. A granitogênese neoarqueana (ca. 2,7 Ga) no Complexo Belo Horizonte é representada pelos granitóides de Santa Luzia, General Carneiro e Ibirité. Constituem plútons bem foliados e bastante homogêneos. Os corpos de Santa Luzia e General Carneiro são granitos cálcio-alcalinos e ligeiramente peraluminosos, aparentemente derivados do retrabalhamento dos gnaisses TTG.

Palavras-chave


Geoquímica; Crosta arqueana; Quadrilátero Ferrífero.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.