AS TAFROGÊNESES SUPERPOSTAS ESPINHAÇO E SANTO ONOFRE, ESTADO DA BAHIA: REVISÃO E NOVAS PROPOSTAS

CARLOS SCHOBBENHAUS

Resumo


A estruturação do rift Espinhaço nos estados da Bahia e Minas Gerais está ligada a fase extensional no final do Paleoproterozóico (1800-1700 Ma) e ocorreu ao longo de falhas NS e NW-SE. Na Bahia, a fase inicial dessa tafrogênese é marcada pelo vulcanismo Rio dos Remédios, datado em 1750 Ma (U-Pb), seguida da deposição de mais de 5000 metros de sedimentos continentais e marinhos rasos, que no seu conjunto compõem o Supergrupo Espinhaço, ao longo da Serra do Espinhaço setentrional e Chapada Diamantina. Uma fase extensional no início do Neoproterozóico, entre 1000 e 900 Ma, gera um novo episódio de tafrogênese. Antigas linhas de falha do rift Espinhaço abortado são reativadas. Na borda sudeste do atual cráton do São Francisco forma-se uma junção tríplice. Ao longo do braço menos ativo dessa junção gera-se o rift Santo Onofre que penetra o sítio do Espinhaço baiano, possivelmente por reativação da falha de Santo Onofre, com mais de 500 km de extensão. Ao longo desse rift depositam-se sedimentos continentais e marinhos (incluindo lobos turbidíticos) neoproterozóicos, representados pelo Grupo Santo Onofre redefinido, aflorando ao longo do strike do Supergrupo Espinhaço. A extensão meridional do Grupo Santo Onofre redefinido é representado pelo Grupo Macaúbas, na bacia do alto Rio Pardo, norte de Minas Gerais. Os dois ramos meridionais dessa junção tríplice representam o rift assimétrico Macaúbas que, para leste, abre-se na bacia oceânica Araçuaí. Na Chapada Diamantina, a discordância da base da Formação Morro do Chapéu, definida como importante limite de seqüência, é geneticamente relacionada à deposição de unidades do Grupo Santo Onofre redefinido. Essa formação representa, portanto, também uma unidade neoproterozóica. Por outro lado, as formações Tombador e Caboclo, representam sedimentos plataformais mesoproterozóicos (∼1200-1000 Ma), provavelmente relacionados a um evento geodinâmico de idade grenvilliana. O fechamento da bacia Macaúbas durante a orogênese brasiliana, resultou na formação da faixa Araçuaí e na deformação do Grupo Santo Onofre redefinido ao longo do chamado corredor de deformação do Paramirim, no interior do cráton do São Francisco. Essa deformação envolveu também o sistema Espinhaço e seu embasamento.

Palavras-chave


Proterozóico;Rift; Estratigrafia; Paleogeografia.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.