O GRANITO SERRA DOS CARAJÁS: l. FÁCIES PETROGRÁFICAS E AVALIAÇÃO DO POTENCIAL METALOGENÉTICO PARA ESTANHO NO SETOR NORTE

FRANCISCO JAVIER RIOS, RAIMUNDO NETUNO VILLAS, ROBERTO DALUAGNOL

Resumo


O batólito Serra dos Carajás é um dos vários corpos graníticos anorogênicos que se instalaram no Distrito Metalogenético de Carajás em tempos paleoproterozóicos. Este batólito é tanto intrusivo nas rochas arqueanas do Grupo Grão-Pará como também na seqüência elástica da Formação Águas Claras que as recobre. Numa pedreira aberta na extremidade norte desta intrusão estão expostas rochas de granulação média a grossa, e mesmo porfirítica, diques de microgranitos, bolsões pegmatíticos e veios hidrotermais que dão conta da história magmática e de eventos subsolidus de sua evolução petrológica. As duas principais fácies petrográficas são anfibólio-biotita sienogranitos (ABS) e anfibólio-biotita monzogranitos (ABM) que representam as primeiras rochas a se cristalizarem. Em seguida, alojaram-se os diques de microgranito na seguinte ordem cronológica: anfibólio-biotita microgranito (ABMm), biotita microgranito (BMm) e biotita leucogranito (BLg). Formaram-se, mais adiante, a partir da fusão residual silicática enriquecida em boro, bolsões pegmatíticos e discretos veios. Ambos representam as últimas rochas magmáticas a se solidificarem. Finalmente, fluidos aquosos derivados do magma misturaram-se com soluções de fontes externas gerando três tipos de veios hidrotermais com distintas associações minerais. Evidências dessa mistura vêm da abundante precipitação de calcita bem como da composição isotópica de oxigênio (δ18O) do quartzo magmático (7,06%o) e hidrotermal (8,30-8,70%c). A fácies ABS, que é a rocha dominante na área mapeada, é um granito rico em sílica e em álcalis com caráter levemente peraluminoso. Muitas feições químicas são coincidentes com os granitos tipo A (Collins et al. 1982); por outro lado, dados de isótopos de oxigênio e de estrôncio indicam material infracrustal como fonte do magma. Altas razões de Ba/Rb e baixas de Rb/Zr, bem como razões de K/Rb maiores que 150 e de Rb/Sr em torno da unidade, situam essa fácies no campo dos granitos não especializados em Sn, como é o caso da maioria daqueles que pertencem à série com magnetita de Ishihara (1977 e 1981). De fato, a greisenização é virtualmente ausente no setor norte do granito Serra dos Carajás e análises para Sn em rochas hidrotermalmente alteradas revelaram teores abaixo de 5 ppm. Contudo, o potencial estanífero do batólito ainda precisa ser avaliado, haja vista as observações terem se restringido a uma pequena área da intrusão e, recentemente, terem sido encontrados veios de quartzo com cassiterita na sua borda oeste (Javier Rios, inédito), que podem estar relacionados aos conhecidos indícios deste minério nos arenitos da Formação Águas Claras não muito distantes daquela borda.

Palavras-chave


Distrito Metalogenético de Carajás; Granito Serra dos Carajás; Sieno e monzogranitos; Composição isotópica de oxigênio; Potencial de Sn.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.