ESTUDO PETROLÓGICO DE ALGUNS FRAGMENTOS TECTÔNICOS DA MELANGE OFIOLÍTICA EM ABADIÂNIA (GO): II - CROMITA PRIMÁRIA E SUAS TRANSFORMAÇÕES METAMÓRFICAS

ADELIR J. STRIEDER, ARIPLÍNIO A. NILSON

Resumo


As ocorrências de cromita nos corpos de serpentinito alojados nos Metassedimentos Araxá têm sido descritas como podiformes. Isto é feito principalmente com base nas feições texturais observadas, já que as análises químicas são escassas e genéricas. Este artigo apresenta os resultados de uma aprofundada análise petrográfica e petroquímica dos cromititos presentes nos corpos deformados, mas se pôde reconhecer texturas primárias do tipo: schlieren disseminada a maciça com glomeropórfiros. nodular e globular. Os grãos individuais de cromita são grossos e subédricos-anédricos; possuem núcleo com cor cinza escura homogênea e bordos cinza-claro extremamente corroídos no contato com a clorita. Com base na petrografia e na petroquímica, sugere-se duas fases de transformação metamórfica para a cromita: 1. cromita com Al + antigorita → cromita com Fe (III) + clorita com Al caracterizada pela acentuada trocade Al3+; 2. cromita com Fe (III) + clorita com A1A → cromita com Fe (III) + clorita com Al e Cr + hematita + rutilo que envolve a retirada de Cr3+ para formar a clorita avermelhada de bordo e de Fe3++Ti4+ para formar as exoluções de hematita + rutilo. A cromita primária e a metamórfica também são quimicamente fáceis de distinguir. A cromita Fe (III) possui razão Cr3+/Cr3+ + Al3+ superior a 0,45 e razão Mg2+/Mg2+ + Fe2+ entre 0,8 e O,4, além de decréscimos importantes de Cr3+, com aumento de Fe na segunda fase de transformação metamórfica. Os núcleos de cromita cinza-escura têm composição muito restrita: razão Cr3+/Cr3++Al3+ entre 0,33 e 0,39 e razão Mg2+/Mg2+ + Fe2+ entre 0,8 e 0,6; representam, assim, a composição da cromita primária podiforme.

Palavras-chave


Cromita; Química mineral; Melange ofiolítica de Abadiânia.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.