THE RIO GRANDE DO NORTE ALKALI - OLIVINE BASALT ASSOCIATION, NORTHEAST BRAZIL

ALCIDES NÓBREGA SIAL

Resumo


A suite vulcânica terciária do Rio Grande do Norte, composta de ankaratritos, basanitos e olivina-basaltos com afinidades toleíticas ou basaníticas, formou plugs, necks, derrames e diques que cortam o embasamento cristalino e os sedimentos cretácicos da bacia do Apodi. A cristalização magmática nos ankaratritos e basanitos iniciou-se com olivina, seguida sucessivamente por piroxênio, (plagioclásio), óxidos de ferro, apatita e nefelina, enquanto que, nos olivina-basaltos, iniciou-se com olivina seguida sucessivamente por plagioclásio, augita e óxidos de ferro. O magma cristalizou-se sob fO2 equivalente ao buffer FMQ. Xenocristais de olivina, ortopiroxênio, clinopiroxênio, espinélios e nódulos de espinélio-lherzoliitos e hazburgitos, granulares e cisalhados, são encontrados como inclusões em diversos necks e plugs. A suíte xenolítica foi inteiramente derivada de uma profundidade de aproximadamente 64 km. O magma álcali-basáltico formou-se por um a fusão parcial de um espinélio-lherzolito, no manto, sob pressão de 20 kb. O fracionamento desse magma deu origem aos ankaratritos e basanitos. Um incremento no processo de fusão parcial gerou um magma olivina-basáltico que deu origem aos derrames, diques e alguns necks. O posicionamento dessa suíte tanto pode ter sido relacionada com os reajustamentos internos da placa sul-americana durante seu deslocamento para oeste ou ao alívio de pressão no Terciário de zonas arqueadas no Mesozóico Superior, durante a abertura do Oceano Atlântico sul.


Texto completo:

PDF (English)

Apontamentos

  • Não há apontamentos.