Geoquímica dos ortognaisses do Complexo Região dos Lagos, Araruama-Cabo Frio, Rio de Janeiro, Brasil

Samuel Magalhães Viana, Claudia Sayão Valladares, Beatriz Paschoal Duarte

Resumo


A área alvo da presente pesquisa localiza-se na porção centro-leste do estado do Rio de Janeiro, no Terreno Cabo Frio (TCF) inserida na extremidade sudeste da Faixa Ribeira. Esta corresponde a um cinturão NE-SW de empurrões e dobramentos brasilianos. Neste trabalho foram estudados ortognaisses que associados a ortoanfibolitos compõem o chamado Complexo Região dos Lagos (CRL), embasamento de idade paleoproterozóica do TCF. Trata-se de hornblenda-biotita gnaisse de composição predominantemente granodiorítica a monzogranítica, leucognaisse de composição sienogranítica e biotita gnaisse tonalítico e monzogranítico. As análises químicas revelam que tais ortognaisses são subalcalinos, cálcio-alcalinos e formam dois grupos marcantes: a) gnaisses de composição intermediária e teores de K2O mais baixos, abrangendo hornblenda-biotita gnaisse e biotita gnaisse, de composições variadas; b) gnaisses de composição ácida, com teores mais altos de K2O, constituídos, em sua maioria, de leucognaisse granítico.A abordagem com base nos elementos terras raras (ETR) mostra que nem todas as amostras do CRL são cogenéticas, podendo haver até quatro suítes dentre as amostras estudadas. Os quatro agrupamentos identificados têm assinaturas geoquímicas semelhantes à de suítes geradas em ambientes tectônicos compressivos modernos. Especificamente, os ortognaisses do Complexo Região dos Lagos são interpretados como resultado de construção de arcos magmáticos mais maduros semelhantes aos granitos de arco vulcânico do Chile, gerados durante o Paleoproterozóico

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.