A influência da geodiversidade da região da Serra do Cabral (norte de MG) na variabilidade morfossedimentar do Córrego da Gameleira

Cláudio Eduardo Lana, Paulo de Tarso Amorim Castro

Resumo


A análise de modelos de declividade da bacia do rio Jequitaí, gerados a partir de imagens SRTM, em busca de zonas de retenção de sedimentos, permitiu que fosse identificada uma área de drenagem anômala na porção oriental da bacia, entre as serras do Espinhaço e do Cabral. A anomalia em questão se traduz em uma sucessão de vales com sessão transversal e padrões de sedimentação bastante variáveis, ao longo de um segmento relativamente curto do córrego da Gameleira. O contexto litoestrutural da região, incluindo deformações cenozoicas, sugere que a evolução do sistema fluvial estudado está diretamente relacionada a variações locais na composição das rochas que constituem o substrato do canal, representado neste caso por uma única unidade litoestratigráfica (Subgrupo Paraopeba). Além disso, o basculamento para norte da porção meridional da bacia, em direção ao "graben do Jequitaí", contribui com o cenário morfossedimentar. Perfis de fácies sedimentares indicam que a área em apreço já esteve sobreposta por leques aluviais provenientes, provavelmente, da serra do Espinhaço. Os resultados demonstram que segmentos fluviais não encaixados podem ser erroneamente classificados como agradacionais. Na área investigada as características morfossedimentares são de difícil predição, tendo em vista que refletem particularidades da geodiversidade local.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.