Avaliação de métodos de quantificação da deformação finita por meio de simulações computacionais de deformação progressiva

Sérgio Wilians de Oliveira Rodrigues, Frederico Meira Faleiros

Resumo


Simulações computacionais de deformação progressiva por cisalhamento puro e simples aplicadas em imagens elaboradas (elipses, trama irregular e trama granoblástica) permitiram avaliar a real potencialidade dos métodos do tensor de inércia, interceptos e Rf/φ (técnicas de Shimamoto & Ikeda 1976 e Peach & Lisle 1979) para a quantificação da deformação finita. Os resultados mostram que, em geral, os métodos avaliados apresentam-se eficientes em determinar as razões de forma e a sua orientação preferencial, com exceção de alguns casos e condições específicas, tais como taxas de deformações altas. O método do tensor de inércia, originalmente desenvolvido para análise de tramas magmáticas, apresenta resultados analíticos muito similares aos do método Rf/φ, classicamente aplicado à analise de rochas deformadas. Ambos os métodos apresentaram boas correlações entre os valores teóricos e observados de deformação. O método dos interceptos, também idealizado para tramas magmáticas, sistematicamente fornece razões de deformação subestimadas em ensaios de cisalhamento puro, e superestimadas nos ensaios de cisalhamento simples. Contudo, apresenta bons resultados em termos de orientação. De modo geral, os testes realizados qualificam o uso dos métodos avaliados para análises de deformação.

Palavras-chave


Análise da deformação; Orientação preferencial de forma (OPF); Tensor de inércia; Método dos interceptos; Rf/φ.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.