Geologia e aspectos petrológicos das rochas intrusivas e efusivas mesozóicas de parte da borda leste da bacia do Paraná no estado de São Paulo

Fábio Braz Machado, Antonio José Ranalli Nardy, Marcos Aurélio Farias de Oliveira

Resumo


A borda leste da Bacia Paraná no Estado de São Paulo é caracterizada por um grande volume de rochas intrusivas, principalmente sills de diabásio, associados à Província Magmática do Paraná (PMP), encaixados preferencialmente na porção superior do Supergrupo Tubarão, bem como nos calcários e lamitos das Formações Irati e Corumbataí. A investigação petrográfica destas rochas intrusivas e dos derrames próximos, mostrou que são constituídas essencialmente por plagioclásio, piroxênios (augita e pigeonita), minerais opacos e mesóstase (vítrea e/ou microgranular), caracterizando texturas predominantemente intergranular, subofítica e ofítica. Dados geoquímicos de elementos maiores, menores, traços e ETR indicaram que essas rochas são de natureza básica e caráter toleítico do tipo alto-titânio (TiO2 ≥ 2%). Essas diferenças geoquímicas também indicam três magmas distintos (subgrupos)- Urubici, Pitanga e Paranapanema, que se distribuem de forma localizada pela área investigada. As do tipo Paranapanema (1,7% < TiO2 < 3,2%; 200ppm < Sr < 450ppm) estão concentradas na região de Campinas, próxima ao embasamento cristalino; as do tipo Pitanga (TiO2% > 2,9 e Sr > 350ppm) na maioria das intrusivas e derrames próximos (regiões de Jaú e Franca), enquanto as do tipo Urubici (TiO2% > 3,3 e Sr > 550ppm) estão distribuídas entre os sills da região de São Sebastião do Paraíso, em Minas Gerais, e os derrames no nordeste do Estado de São Paulo. Sendo assim, o estudo na área investigada, mostrou que as rochas intrusivas e derrames podem apresentar gênese e processos de evolução magmática distintos.

Palavras-chave


Província Magmática do Paraná; Formação Serra Geral; Bacia do Paraná; Rochas intrusivas.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.