Nova associação tonalítica-trondhjemítica neoarqueana na região de Canaã dos Carajás: TTGS com altos conteúdos de Ti, Zr e Y

Alan Cardek Brunelli Gomes, Roberto Dall’Agnol

Resumo


Uma Nova Associação Tonalítica-Trondhjemítica (ATTr) neoarqueana foi identificada na região de Canaã dos Carajás, no Domínio de Transição entre o Terreno Granito-Greenstone de Rio Maria (TGGRM) e a Bacia Carajás. Ela é formada por granitóides da série TTG, intrusivos em granitos potássicos de afinidade cálcio-alcalina, granitos alcalinos tipo-A, correlacionados ao Granito Planalto, e rochas vulcânicas do Supergrupo Itacaiúnas. Ela difere dos típicos granitóides da série TTG, inclusive daqueles do TGGRM, devido aos seus elevados conteúdos de Zr, Ti e Y. Além disso, contrasta com os últimos por pertencer ao grupo de TTG com baixo Al2O3. As rochas da ATTr exibem forte fracionamento de elementos terras raras pesados; os tonalitos mostram anomalias negativas de Eu incipientes ou moderadas, enquanto que os trondhjemitos exibem anomalias positivas de Eu. Sua gênese está relacionada ao importante evento datado em ~2,75Ga, responsável por intensa e diversificada geração de magmas na Bacia Carajás e no Domínio de Transição para o TGGRM, no final do Arqueano. Admite-se que o magma da ATTr derive da fusão parcial de gabros tholeíticos continentais, cujo resíduo é composto por clinopiroxênio + plagioclásio ± olivina. A hornblenda também pode ter influenciado a evolução deste magma, seja por sua retenção no resíduo de fusão, seja separando-se por processo de cristalização fracionada. O fracionamento de alanita poderia explicar as anomalias positivas de Eu, presentes em parte das amostras da ATTr.

Palavras-chave


Tonalito-trondhjemito; Arqueano; Baixo Al2O3; Carajás; Cráton Amazônico.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.