Química mineral, cristalização e deformação de granitos sintectônicos brasilianos da região de Arrozal, SW do Rio de Janeiro

Alexis Rosa Nummer, Luis Antônio Rosa Seixas, Rômulo Machado

Resumo


Este trabalho apresenta dados de análises de química mineral de feldspatos (feldspato alcalino e plagioclásio) e biotita de granitos sintectônicos da região de Arrozal, porção sudoeste do Estado do Rio de Janeiro, envolvendo fácies deformadas e não deformadas dos Maciços Graníticos Arrozal (MGA) e  Getulândia (MGG) e amostra da rocha encaixante. São maciços graníticos alongados na direção ENE-WSW e associados a zonas de cisalhamento de alto ângulo do vale do Rio Paraíba do Sul. Possuem foliação magmática na parte central e de deformação no estado sólido nas bordas. Do MGA foram analisadas  três faciologias: (i) Porfirítica (central), (ii) Foliada (borda), (iii) Leucogranítica. Do MGG foram analisadas  duas faciologias: (i) Inequigranular e (ii) Equigranular foliada.  A composição do feldspato alcalino situa-se próximo ao pólo do ortoclásio no diagrama Or – Ab – Na; a do plagioclásio é albítico (fácies leucogranítica) e andesina (fácies porfirítica, foliada e enclave). A biotita do MGA é mais férrica (Fe # entre 0,5 a 0,8) e aluminosa (17 a 19% de Al2O3), situando-se entre os pólos da annita e siderofilita; a biotita do MGG é mais magnesiana (Fe # ~0,5) e menos aluminosa (14 a 15% de Al2O3), e situa-se entre os pólos da flogopita e eastonita (Fe # entre 0,5 e 0,8).  As biotitas estudadas são preferencialmente primárias e foram pouco afetadas pela deformação no estado sólido. As biotitas da fácies foliada do MGA, em relação às das demais fácies do maciço, possuem conteúdos semelhantes em Mg0 e Ti02, porém mais elevados em Al2O3.

Palavras-chave


Zonas de Cisalhamento; Granito Arrozal; Química mineral; Cálcico-alcalino.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.