CLASTOS DE FORMAÇÃO FERRÍFERA BANDADA NO CONGLOMERADO DIAMANTÍFERO SOPA EM EXTRAÇÃO (DIAMANTINA, MG)

Márcio Célio Rodrigues da SILVA, Mario Luiz de Sá Carneiro CHAVES, Wanderson ANDRADE

Resumo


Na região de Diamantina afloram predominantemente rochas siliciclásticas pertencentes ao Supergrupo Espinhaço, de idade paleo a mesoproterózoica, atualmente admitidas como integrantes de dois grandes ciclos sedimentares distintos, em ambiente de rifte cratônico, informalmente designados Espinhaço I (Estateriano) e Espinhaço III (Esteniano). A sequência rudítica associada à Formação Sopa-Brumadinho, base do Espinhaço III, que vem sendo lavrada intensivamente devido ao seu conteúdo diamantífero, é caracterizada por variados níveis de conglomerados polimíticos, desenvolvidos em ambientes deposicionais de leques aluviais e fandeltaicos lacustres, durante a fase de clímax do rifte. Tais conglomerados foram estudados nas proximidades do vilarejo de Extração, visando vários aspectos de ordem sedimentológica, destacando-se aqui os clastos de formação ferrífera bandada (BIF), abundantes nessa localidade. Análises geoquímicas desse material, coletado nas mais importantes áreas de antigas lavras (Serrinha, Boa Vista, Cafundó e Cavalo Morto), identificaram uma proeminente assinatura geoquímica de ETRs. Estas mostram anomalias negativas simultâneas de európio e cério que não coadunam com os padrões esperados para formações ferríferas arqueanas. A principal fonte de tais clastos provavelmente encontra-se na Sequência Pedro Pereira, cujas BIFs são aqui admitidas como de idade paleoproterozoica, com melhores exposições atuais situadas ao sul da cidade de Gouveia.

Palavras-chave


Conglomerado sopa; Formação ferrífera bandada (BIF); Extração (Diamantina).

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


SCImago Journal & Country Rank