DEPÓSITOS SUPERFICIAIS DIAMANTÍFEROS DA REGIÃO DE DIAMANTINA, SERRA DO ESPINHAÇO (MINAS GERAIS).

Mario Luiz de Sá Carneiro Chaves, Leila Benitez

Resumo


Depósitos superficiais diamantíferos dos tipos laterítico e coluvial, constituem objeto de lavra na região de Diamantina (Minas Gerais) desde longa data, e são estudados neste trabalho quanto às suas características morfológicas, químicas e mineralógicas. Os depósitos lateríticos foram geneticamente associados à superfície de aplainamento Pós-Gondwana desenvolvida durante o Cretáceo Superior-Paleoceno (cotas 1.250-1.350 m), possuindo importância econômica principalmente nos arredores de Datas. Os depósitos coluviais foram datados por termoluminescência em quartzo em ca. 30.000 anos a.P. (Pleistoceno Superior) e estão amplamente distribuídos ao longo da mesma faixa altimétrica. Em conseqüência, procurou-se demonstrar que tais depósitos, ainda que relacionados a altitudes idênticas, desenvolveram-se em processos geológicos totalmente distintos e em tempos diferentes.

Palavras-chave


Depósitos diamantíferos, laterito, colúvio, Serra do Espinhaço.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


SCImago Journal & Country Rank