Ilha dos Búzios, Litoral Norte do Estado de São Paulo: aspectos geológicos e petrográficos

Francisco R. Alves, Celso B. Gomes

Resumo


Rochas sieníticas cretácicas introduzidas em charnoquitos precambrianos constituem a geologia da Ilha dos Búzios (7,5 km²), situada no litoral norte do Estado de São Paulo, região sudeste do Brasil. Ambas unidades litológicas estão cortadas por grande número de diques, orientados preferencialmente para NE e variáveis em composição. Os sienitos podem incluir xenólitos de charnoquitos e de rochas máficas, além de também conter cavidades miarolíticas, de forma irregular e preenchidas ou não com quartzo. As rochas alcalinas, cobrindo aproximadamente 90% da ilha, são dominantemente de granulação grossa e variam em composição de álcali feldspato sienitos a quartzo-álcali feldspato sienitos. Localmente, podem ser também encontradas variedades sieníticas de granulação fina. Os diques, de ocorrência generalizada por toda a ilha, são enquadrados no grupo félsico, que reúne litologias variando de fonólitos a traquitos e riólitos (microgranitos), ou no máfico-ultramáfico, este consistindo principalmente em diabásios, microdioritos e lamprófiros. Feldspato alcalino (micromesopertita com pequeno predomínio das fases albíticas) é o mineral mais abundante das rochas sieníticas. Outros constituintes incluem clinopiroxênio (diopsídio-augita variando até egirina-augita), que se mostra comumente substituído por anfibólio/biotita, além de opacos (magnetita, ilmenita), apatita, titanita e zircão como principais acessórios. Os diques félsicos podem conter outros feldspatos, como sanidina e albita, quer na condição de micro a fenocristais, quer como membros da massa fundamental; feldspatóides (nefelina, sodalita) estão também presentes em alguns microssienitos. Os diques máfico-ultramáficos, em particular os de lamprófiros, são caracterizados por uma associação mineralógica primária consistindo em olivina, clinopiroxênio (augita titanífera) e anfibólio (kaersutita), além de massa fundamental contendo material vítreo e analcita. Digna também de registro nos lamprófiros é a presença de pequenos grãos ou agregados de ocelos carbonáticos de formação primária. Diques de natureza mais basáltica possuem plagioclásio (andesina-labradorita) zonado, feldspato alcalino intersticial e clinopiroxênio (diopsídio-augita), anfibólio, biotita e opacos como principais minerais ferromagnesianos. Não obstante as diferenças petrográficas e químicas, os corpos alcalinos formando as ilhas de Vitória, Búzios, São Sebastião e Monte de Trigo, todas elas situadas na costa oriental do Estado de São Paulo, parecem corresponder a eventos magmáticos apresentando o mesmo condicionamento geológico. Eles muito provavelmente representam intrusões contemporâneas associadas a anomalias térmicas no manto e estão intimamente ligados à evolução tectônica Mesozóica da porção sudeste do Brasil.

Palavras-chave


Magmatismo alcalino;Ilha dos Búzios

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5327/S1519-874X2001000100007

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


SCImago Journal & Country Rank