ANÁLISE DO CONTEÚDO DE VAPOR D’ÁGUA NA CAMADA LIMITE ATMOSFÉRICA MARINHA SOBRE A REGIÃO DA CONFLUÊNCIA BRASIL-MALVINAS ENTRE OS ANOS DE 2004 E 2015

ROSE ANE PEREIRA DE FREITAS, RONALD BUSS DE SOUZA, RAFAEL AFONSO DO NASCIMENTO REIS, WALTER HUGO DIAZ PINAYA

Resumo


A concentração de vapor d’água na camada limite atmosférica marinha (CLAM) sobre a região da Confluência Brasil-Malvinas (CBM), no Oceano Atlântico Sudoeste, foi analisada através de dados tomados durante dez cruzeiros oceanográficos realizados durante os meses de outubro a novembro de 2004 a 2015. Trabalhos anteriores comprovam que essa região, conhecida por seus intensos gradientes horizontais de temperatura da superfície do mar (TSM), é responsável pela modulação local da CLAM e pela manutenção de intensos gradientes laterais de fluxos de calor latente e sensível entre a atmosfera e o oceano. Nossos resultados mostram que os gradientes termais entre as águas quentes da Corrente do Brasil (CB) e as águas frias da Corrente das Malvinas (CM) que se encontram na CBM são capazes de produzir diferenças significativas entre o conteúdo de vapor d’água atmosférico nos dois lados da frente oceanográfica na extensão da CLAM. Em média sobre as águas mais quentes da CB, a CLAM apresenta-se mais úmida com valor médio próximo a 2 g.kg-1 mais alto que na região mais fria, dominada por águas da CM. A CLAM é modulada localmente pela TSM conforme observado em outros trabalhos pretéritos para a mesma região. Os sistemas atmosféricos transientes, comuns nessa região do planeta, no entanto, podem atenuar ou intensificar a concentração de vapor d’água na CLAM.


Palavras-chave


Conteúdo de vapor d’água; Confluência Brasil-Malvinas; Camada Limite Atmosférica Marinha.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.11137/2017_3_94_101

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


SCImago Journal & Country Rank