Tafocenoses da Formação Pimenteira, devoniano da Bacia do Parnaíba, Piauí: mapeamento, inventário e relevância patrimonial

Luiza Corral Martins de Oliveira Ponciano, Aline Rocha de Souza Ferreira de Castro, Vera Maria Medina da Fonseca, Deusana Maria da Costa Machado

Resumo


Durante trabalhos de campo realizados nos últimos dez anos ao longo da borda leste da Bacia do Parnaíba, no Estado do Piauí, tem-se observado uma contínua destruição de afloramentos fossilíferos da Formação Pimenteira, sendo claramente motivo de preocupação. No atual momento de retomada dos estudos sobre esta formação, a realização de inventários amplos, abrangendo todos os grupos fósseis de determinadas regiões, assim como seu contexto geológico, é uma forma de proteção ao patrimônio geológico que deve ser efetuada. O objetivo do presente trabalho é a caracterização da composição e do modo de ocorrência das tafocenoses, além da valoração relativa da importância dos numerosos sítios fossilíferos da Formação Pimenteira, contribuindo para a sua conservação. Este levantamento reúne dados inéditos obtidos a partir de 2005, informações disponíveis na literatura e dados não publicados, como dissertações e teses, cadernetas de campo, fotos de diversas épocas e registros de amostras da Formação Pimenteira depositadas em coleções científicas de diferentes museus e universidades. Desde o trabalho pioneiro de Caster (1948), as tafocenoses da Formação Pimenteira têm sido caracterizadas como erráticas e relacionadas principalmente aos arenitos. Estas interpretações iniciais sofreram alteração significativa após a excursão realizada em 2009, que revelou novos sítios e horizontes fossilíferos em depósitos com litologias diversas (siltitos, arenitos e conglomerados). Com base no presente inventário, consideram-se como mais relevantes os seguintes afloramentos: Morro Branco de Kegel, Rio Sambito, Morro do Cemitério, BR-316/km 318, Itainópolis, Riachão, São João Vermelho e PI-466/km 12. Estas localidades são as mais citadas na literatura e algumas apresentam maior valor histórico e uma considerável diversidade de tafocenoses capazes de fornecer dados sobre o paleoambiente deposicional, a gênese e a idade dos depósitos fossilíferos. Além disso, os fósseis estão mais bem preservados e documentam de forma mais ampla as variações faunísticas e florísticas dos mares devonianos e dos ambientes flúvio-deltaicos do entorno.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.11137/2012_1_05_27

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


SCImago Journal & Country Rank